Contra o Cavaco, marchar, marchar!


E-mail this post



Remember me (?)



All personal information that you provide here will be governed by the Privacy Policy of Blogger.com. More...



Defini como objectivo para esta semana trabalhar para derrotar o Cavaco Silva. As eleições estão à porta e, surpresa das surpresas, Cavaco continua com maioria absoluta nas sondagens. Valem o que valem, mas continua a fazer-me muita confusão pensar que a maioria dos portugueses o vêem como um D. Sebastião, porque não será certamente por aquilo que ele (não) diz!
Se à partida entre mim e o Cavaco havia um conflito ideológico muito grave, acentuado pelos anos de governação em que imperou uma política de lobbies, de betão e de absurdos neoliberais como as privatizações de boa parte das nossas melhores empresas públicas, a campanha que ele tem feito levou-me a pensar que o Cavaco Silva pode efectivamente ser um fascista.
Assim, pensei em conduzir uma análise do candidato a Belém (ai que até dói pensar nisto), à luz das 14 características do fascismo (http://ellensplace.net/fascism.html). No entanto, a retórica demagoga do Cavaco Silva, impossibilita qualquer análise simples, que estaria ao nível do tempo que posso dedicar a um blog.
Verifiquei contudo que, na sua campanha, existem fortes e continuadas expressões de nacionalismo, a começar pelo seu cartaz: "Sei que Portugal pode vencer". Até me provoca tremores. É que para haver um vencedor é preciso haver uma competição em que há vencidos. Quem serão os vencidos, outros países? Quais? Só me ocorre pensar que sejam os países do Sul, os do costume, os colonizados e escravizados pela mão invisível (mas de efeitos bem visíveis) do sistema económico neoliberal que o Doutor Cavaco tanto defende.
Por outro lado, as suas ambições incluem que "a afirmação de Portugal no mundo não é independente das suas forças armadas". Ou seja, o uso da força, ou da demonstração do poder nacional como forma de promoção da imagem. E não rejeita a NATO.
O candidato também parece não gostar muito de imigrantes, pela ameaça que são à estabilidade da economia portuguesa. Há aqui, a juntar ao nacionalismo, um certo desdém pelos direitos humanos. Este é agravado pelos seus anos de governação, que reforçaram um estado policial, onde ocorreram vários actos de agressão a manifestantes políticos. São exemplo os que ocorreram pela mão dos estudantes na Assembleia da República e onde participei e assisti à violência.
O ex-libris deste estado de brutalidade policial está em Luís Miguel Figueiredo, jovem de 18 anos que foi baleado durante os protestos contra a portagem da ponte 25 de Abril em 24 de Junho de 1994. A polícia na altura alegou ter usado balas de borracha e disparado para o ar, mas veio a provar-se que a bala era verdadeira. O jovem ficou paraplégico, mas, como em qualquer estado policial, não foi possível provar o autor dos disparos. A queixa que o jovem apresentou foi assim metida na gaveta, mas quem devia ser julgado agora era Cavaco Silva, pelos portugueses, no próximo Domingo.
Olhando para o resto da lista de características do fascismo, fico tentado a continuar a percorrê-la e a preencher com memórias e pesquisas sobre a governação do firme e hirto Cavaco e o discurso que tem tido na sua campanha. Até o Santana já alertou para o perigo que o Cavaco seria por gerar um problema de (abuso de) poder institucional! Parece que, com tempo, iria parar a todas ou quase todas as categorias, mas esse tempo não existe e há outros activismos que tenho a fazer, contra ele e contra os sanguinários neoliberais e por este mundo que está constantemente ameaçado por todos eles.
Cidadãos acordados e conscientes de todo o país, uni-vos em acções subversivas contra o Cavaco! O perigo está à espera depois das eleições! Eu não vou ficar parado a ver!


Gualter no Palha de Erva

Links to this post:

Criar uma hiperligação


3 Responses to "Contra o Cavaco, marchar, marchar!"

  1. Anonymous HB 

    bom post...

  2. Anonymous Filipe Coelho 

    Infelizmente o povo Português tem memória curta. Já não se lembra da governação ditatorial de cavaco Silva e da dificuldade deste em conviver com críticas.

    Mas se é de economia que o povo quer falar, digamos em verdade que até nesse ponto não foi grande coisa a governação de cavaco. Gostaria de poder fazer mais alguma coisa para mudar o rumo dos acontecimentos.

    Pelo menos convencer algumas pessoas do que estão prestes afazer.

  3. Anonymous Anónimo 

    A missão impossível. Antes um X-file soarista?

Leave a Reply

      Convert to boldConvert to italicConvert to link

 


Quem somos?

    Fazemos parte de uma geração que nasceu politicamente com Cavaco Silva como Primeiro-Ministro. Organizámos e participámos em manifestações, vigílias e reuniões por um mundo que sabíamos não dever ser dominado por um gestor iluminado que com discursos de rigor escondia o desenhar da crise em que continuamos a viver. Porque temos memória, não esquecemos Cavaco, tal como não esquecemos os seus ministros. Não esquecemos as violentas cargas polícias sofridas, pelas escadarias da Assembleia da República e dentro das Universidades. Não esquecemos o spot da TSF que, da ponte 25 de Abril, lançava o grito para que "gajos ricos, gajos pobres"; se juntassem. Não esquecemos os políticos que Cavaco formou e que o continuaram; Durão Barroso, Santana Lopes, Valentim Loureiro, Isaltino Morais ou Alberto João Jardim. Não esquecemos em Cavaco, o contínuo desrespeito por tudo o que era cultura, arte ou memória. E também não esquecemos aquele dia em que Cavaco perdeu e que nos deixou reentrarmo-nos em torno das nossas vidas. Fomos desobedientes naquela altura e agora torna a ser necessário voltar a sê-lo!

    Ana
    Carlos Guedes [G.]
    Filipe Gil
    João Miguel Almeida
    João Paulo Saraiva
    Nuno Espadinha
    Tiago Mota Saraiva
    Z. N.

Centro de Estudos do Cavaquismo

    Quem faz uma procura na Internet sobre os anos em que este país viveu sob a égide de Cavaco, encontra muito pouca informação, quase nada. O Cavaco Fora de Belém é um blogue que pretende reavivar as memórias do que foi esse período negro da história de Portugal. Para tal propomo-nos recolher relatos, documentos, arquivos, imagens ou videos em formato digital, que nos permitam construir a história desse período e colocá-la online. Os vossos contributos, vindo directamente das caves e dos sotãos da história, podem ser enviados para este email: cavacoforabelem (@) gmail | com

Previous posts

Arquivos

Ligações

sindicância (RSS feed)